sexta-feira, 6 de julho de 2018

☜♡☞..."AKAI-ITO"...☜♡☞



"A LENDA DO FIO VERMELHO"
Vs - Japonesa

Debaixo da escura noite, iluminada apenas pela brilhante lua cheia caminhava, apressadamente, para a sua casa um pequeno menino. Enquanto caminhava encontrou um velho, sentado por baixo de uma árvore observando a grande lua.
- Boa noite rapaz! - Disse-lhe humildemente o velho que, na realidade, era o Deus Yuelão.

O menino nunca antes vira o velho, por isso, continuou o seu caminhou sem lhe prestar atenção.
- Sabes! - continuou o velho. - Devias começar a preparar-te para o teu destino. Já não falta muito para te tornares um homem e, como todos os todos os homens, precisas de arranjar uma esposa.
O menino era ainda muito jovem e não mostrava nenhum interesse em se casar.
-Eu nunca me vou casar. - Disse amargamente.
- Isso só o destino pode dizer. E sabes o que ele diz agora?
Mesmo não estando a gostar muito da conversa o menino acenou que não com a cabeça.
-Ele diz que te casarás com a jovem que estiver do outro lado da corda que amarrei ao teu tornozelo.

Pela primeira vez,o menino conseguiu ver a corda vermelha amarrada ao seu dedo mindinho, que se estendia no chão formando um estreito caminho cor de sangue. Na outra ponta da corda estava uma jovem moça, sentada à porta da sua casa, observando o céu escuro da noite. O menino não queria acreditar no que os seus olhos viam, pegou então numa pedra e atirou-a ao rosto menina, pensando que aquilo seria o suficiente para a manter longe dele para sempre. De seguida, limpou as mãos sujas de terra aos calções e correu, como nunca antes havia corrido, passando por tortuosos caminhos, deixando completamente emaranhada a corda vermelha que continuava amarrada ao seu tornozelo, mas que por algum motivo, já não conseguia ver.

Passaram-se anos, e o menino tinha-se transformado num belo homem cobiçado por muitas mulheres. Sabendo que tinha de casar com uma daquelas moças para honrar a sua família, dando-lhe continuidade, mas a verdade, é que nenhuma daquelas mulheres lhe interessava.
Na aldeia diziam que mesmo que procurassem pelo mundo inteiro jamais encontrariam uma dama que lhe agradasse.
O menino, agora já homem, esquecido da conversa que tinha tido com o velho, caminhava debaixo da lua cheia, pensando que talvez nunca conseguisse encontrar o seu par ideal. Foi então que, passando por uma das casas da região, viu a silhueta de uma mulher. Pela primeira vez, sentiu que aquela era a mulher com quem queria passar o resto da vida, mesmo que dela conhecesse apenas a sua silhueta.
Essa jovem, por quem se apaixonara era conhecida como sendo uma das mais belas mulheres da vila, contudo raramente saia de casa por ter vergonha do seu rosto.

No tão esperado dia do casamento, a jovem não mostrou o rosto, mantendo-o escondido por baixo de um grosso véu. No entanto, no fim da cerimônia, quando se encontravam sozinhos, o homem não conseguiu esconder a curiosidade e perguntou-lhe por que motivo escondia o rosto.
-Ninguém o quereria ver. É feio e está marcado por uma horrível cicatriz. - respondeu.- Quando era pequena um rapaz atirou-me um pedra ao rosto, deixando uma cicatriz sobre a minha sobrancelha.
Aquelas palavras trouxeram-lhe à memória aquela noite. A noite em que tinha falado com o velho, o Deus Yuelão. E com um suave movimento retirou o véu à sua esposa, deparando-se com a mais bela mulher que alguma vez havia visto. Nesse dia o jovem percebeu que não adianta fugir, pois o destino do Akai Ito será sempre cumprido.

☜♡☞...☜♡☞

A lenda do Akai Ito, que em japonês significa literalmente “fio vermelho”.
Originalmente é uma lenda chinesa. Diz a sabedoria oriental que “um encontro é um acaso, mas um reencontro é destino”. Segundo a lenda original, todos somos conectados por um fio vermelho, amarrado ao tornozelo ou no dedo mindinho, àquela pessoa a qual estamos destinados a amar.
A lenda se popularizou pelo mundo, ficando com o contexto diferente, porém é mais conhecida por sua versão japonesa na qual o fio se localiza no dedo mindinho.

☜♡☞...☜♡☞

☜♡☞...☜♡☞


Nenhum comentário:

Postar um comentário